Sereias: as caçadoras das profundezas rasas




2 min - PINGAR

- Movimento em staccato de cima pra baixo como um leve chacoalhar que se inicia na mão esquerda e se estende pelo braço, pelo pescoço, pelo tronco, pelo outro braço até que o corpo todo chacoalhe ritmicamente e vai quebrando o movimento retilíneo e duro para um movimento sem forma, sem direção, livre e circundante. Passagem do sólido da pedra para o líquido da água.


5 min - MONSTRO MARINHO

- A água torna-se escama e nasce o leviatã de dentes afiados que se funde às ondas do mar ao nada pela superfície. Movimentos de rolamento, cambalhota, giro, espiral, em torno do eixo da cena. Contato com os demais colegas de dança, corpo de baile.


5 min - SEREIA

- A serpente troca de pele aos poucos e torna-se uma sedutora sereia que, junto de suas amigas, seduz os marinheiros. Cada sereia possui um solo. Eu sou o solo número 2. Movimento de giro, em pé, ao redor do próprio eixo afim de encarar o público em 360°.


3 min - KRAKEN

- corpo-coletivo, braços e pernas movimentando-se sem direção e fluidamente como tentáculos. Plano baixo. Alguém assume como corifeu e todos seguem a direção proposta com os deslizes saltados.




21 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Não basta aquecer durante a cena dos Ossos - Faz-se urgente uma CENA ZERO que traga recursos de escuta e (auto)cuidado entre dançarines. O que nos nutre sem ser a estrutura dramatúrgica? Onde estão no

Vontade de enviar um artigo não respeitando muito as questões acadêmicas, mas escrito pelos 5 dançarinos com subtítulos como: - Apanhar em praça pública de uma criança e sua mãe bolsonarista - Um poli