POEMAS APENAS

Atualizado: 25 de jul.

Se lhe pedem em troca a dignidade pela cornucópia

Lhe peço pedra sobre pedra do que nunca deveria existir,

Calhou de ser hoje o dia em que

sem voz

levanto o grito soterrado

da areia

das pimentas

da pedra

dos ossos

Desabrochei do amor que me foi negado

Para enfim calar a jaula com o tufão do meu renascer

Meu avançar é queda

Meu recuo é queda

Sua queda

Minha escada

Pois das ruínas de cada reino banhado em ouro e prata

Faço o meu mar revolto de despedida

Tua despedida

Minha venturança.

Sinta o sabor

Conluio do mastigar e saborear

Será teu último requinte

Teu último orgasmo, teu primeiro arrependimento

Por não ter amado

Esse sabor,

O sabor do profeta do fim dos tempo



18 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Não basta aquecer durante a cena dos Ossos - Faz-se urgente uma CENA ZERO que traga recursos de escuta e (auto)cuidado entre dançarines. O que nos nutre sem ser a estrutura dramatúrgica? Onde estão no

Vontade de enviar um artigo não respeitando muito as questões acadêmicas, mas escrito pelos 5 dançarinos com subtítulos como: - Apanhar em praça pública de uma criança e sua mãe bolsonarista - Um poli

Bruna Ribeiro: O trabalho me reverberou bastante.Achei interessantíssimo e super agradável ver um butô trabalhado de forma tão fluída, simples e potente. É político, é belo, é caótico… com uma plastic