Parece que vai chover: Sobre a intempestividade conveniente.


Praça da Tiradentes, em frente à igreja. Aqui tem sido uma das locações mais frequêntes de ensaio. Para além da interessante dinâmica de transeuntes que já permite por si só um mergulho de olhos abertos na proposta de interação da performance com o público, o lugar é ainda tão carregado de simbolismos, que chega a transbordar quando seres místicos põem-se a dançar ao som de tambores e cordas eletrificadas.


Um abominável ritual de maldição das trevas!


Imagino ser este o veredito da corte do juizo final, no qual a pena é a fogueira da purificação em praça pública. E poque não nesta mesma? Tão abençoada!


Não sei muito além do que posso sentir mas parece que vai chover... Ainda bem que tem um para-raios ali em cima.

6 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Não basta aquecer durante a cena dos Ossos - Faz-se urgente uma CENA ZERO que traga recursos de escuta e (auto)cuidado entre dançarines. O que nos nutre sem ser a estrutura dramatúrgica? Onde estão no

Vontade de enviar um artigo não respeitando muito as questões acadêmicas, mas escrito pelos 5 dançarinos com subtítulos como: - Apanhar em praça pública de uma criança e sua mãe bolsonarista - Um poli

Bruna Ribeiro: O trabalho me reverberou bastante.Achei interessantíssimo e super agradável ver um butô trabalhado de forma tão fluída, simples e potente. É político, é belo, é caótico… com uma plastic