OSSOS | do meu lixo cuido eu

Atualizado: 23 de jun.



os tempos chamam e é preciso despertar. as patas buscam caminho e puxam o corpo para fora da concha.

canelas no chão, tronco curvado sobre os joelhos, mãos unidas uma sobre a outra, cotovelos pra fora. cabeça sobre as mãos. respira fundo. começa a se mexer: com movimento saindo das escápulas, mãos vão aos poucos para frente, empurram o corpo do chão, mas o corpo cede. mãos procuram a lateral, repete o

movimento, o corpo se levanta mais, se projeta ao lado e cede novamente.




corpo velho e cansado rasteja. desacostumado a esse mundo, ainda não reencontrou as pernas para caminhar.


indo para o lado, mãos puxam o corpo pesado e pernas não conseguem sair do chão.





desperta de fato e se espreguiça. seu antigo exoesqueleto limita seus movimentos e precisa dar lugar a um corpo pronto para a batalha.


vai subindo sobre os pés, de cócoras, mantém tônus alto e procura posturas de alongamento e esprigaçamento, pelas laterais.






encontra sua morada. uma sarjeta com tudo aquilo que chamam de lixo. cheia de água parada e sujeiras preciosas. gosta do mau cheiro e deseja o sórdido.



mas querem tirá-le de lá. querem "limpar". e isso não será permitido. é hora de lutar. bater, apertar. pinçar. grunhir. babar. espumar. nervoso, anda de um lado para o outro para afugentar.


plano alto, joelhos flexionados, pernas abertas para os lados, tronco ereto, braço de ataque desenha linhas, indo do inimigo pro peito, pra trás da cabeça, pro ombro, pra cima. caminha na lateral e conforme o movimento vai ficando mais violento, aparecem chutes, pequenos saltos, corpo que se estica. movimentos são súbitos e atravessa o espaço denso. essa densidade dá toda a qualidade do movimento.



protege o que é seu a todo custo. bate no peito. bate na cara de quem tenta chegar perto ou ousa tocar seu tesouro. ninguém desse mundo pode se aproximar.


e com o território seguro, é hora de chamar as profundezas. que venham mais e mais. e que ajudem a espalhar lixo, a entupir as sarjetas, a lotar os ralos. não vai sobrar cano, nem asfalto.


conjurar é vibrar. vibraçao que passa pelas mãos e contamina o corpo. [[em desenvolvimento]]



NOVO VÍDEO COM EXPERIMENTAÇÕES DE MOVIMENTO


primeiro vídeo e primeira tabela abaixo:




39 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Não basta aquecer durante a cena dos Ossos - Faz-se urgente uma CENA ZERO que traga recursos de escuta e (auto)cuidado entre dançarines. O que nos nutre sem ser a estrutura dramatúrgica? Onde estão no

Vontade de enviar um artigo não respeitando muito as questões acadêmicas, mas escrito pelos 5 dançarinos com subtítulos como: - Apanhar em praça pública de uma criança e sua mãe bolsonarista - Um poli