Trabalhos

Direção e Dramaturgia: Thiago Abel

Preparação Corporal: Juliana Pedroso

Elenco: Igor Costa, Juliana Pedroso, Nubia Abe, Padu Cecconello, Sofia Scharff, Thiago Abel

Provocação: Mônica Cristina Bernardes e Rodrigo Putarov

Arte Gráfica: Núbia Abe

Figurino: Padu Cecconello

Iluminação: Juliana Morimoto e Mônica Cristina Bernardes

Sonoplastia: Stefanie Egedy

Sinopse: Inspirados em “Kaze Daruma”, último discurso de Tatsumi Hijikata – fundador do Ankoku Butō –, seis corpos exploram as principais matrizes poéticas presentes neste texto manifesto: a lama, o contágio, a memória da carne, os mortos e a morte. Atenta-se para o que nelas há de comum: a terra, útero-túmulo que devora os corpos, tornando-se reservatório de suas memórias para depois dispô-las como nutrientes que gerarão outros corpos. Memórias nunca perdidas, mas em constante processo de transmutação de elementos, que ora se combinam e adensam, ora se diluem e silenciam, mas nunca desaparecem. 

A pesquisa investigou as paisagens e proposições éticas do texto, de onde emergiram sensações, ações e seres que se estruturaram e se provocaram mutuamente: o encontro destas forças e seus percursos no corpo resultam no presente trabalho que oscila entre a metamorfose constante e a vontade de existir enquanto carne.

ATÉ A LEMBRANÇA DO CACHORRO DO VIZINHO AINDA VIVE NO MEU CORPO
Apresentação dos Anhangás, no Cemitério da Consolação - São Paulo
Apresentação dos Anhangás, no Cemitério da Consolação - São Paulo
Apresentação dos Anhangás, no Cemitério da Consolação - São Paulo
ANHANGÁS

P

Coordenação: Thiago Abel

(Des)Orientação Filosófica: Bruno Maschio

P

“Anhangá”, em cosmologias indígenas, quer dizer sombra, alma errante, espírito que vagueia. Designava também os mortos de tempos muito antigos onde não haviam diferenças entre homens e animais. Protetores da terra, não possuem uma forma, mas são capazes de se metamorfosear em todos os corpos: humanos, animais, plantas, minerais, fenômenos da natureza. Nesta performance, objetiva-se presentificar nos corpos dos dançarinos a qualidade da terra enquanto útero-túmulo, fluxo constante entre vida e morte, para escancarar que é impossível restringir a morte ao espaço do cemitério, pois nem a vida – nem a terra – são separáveis das inúmeras mortes que as constituem. 
“Quando você anda, tenha cuidado. Você pode estar andando sobre os mortos”. O dizer de Ôno nos atenta para a distinção entre terra e cidade: território que nega e marginaliza a morte, delimitando-a aos muros dos cemitérios e crematórios. Enquanto, na relação homem-terra os mortos se fazem presentes o tempo todo, ao andarmos no asfalto da cidade, não nos relacionamos, ou melhor, fingimos não nos relacionar com tudo aquilo que morreu para que a vida fosse possível. A performance propõe uma dança com a potência de fazer emergir os ossos, romper o chão da cidade, para que eles dancem e celebrem a vida enfim destituída destas limitações e barreiras impostas na modernidade.
A lama, presente na poética de Hijikata, surge nos corpos dos dançarinos para retomar o pensamento de que morrer é nascer diferente do que se é, tudo se encontra nela. O que o Ankoku Butô (Dança das Trevas) anuncia é um pensamento de pertencer à terra, presente também na cosmologia ameríndia. Portanto, o Butô transpassa estados-nacionais – com suas identidades e culturas – e os diversos tempos da história.

MARGINAIS (TRANS)TEMPORAIS

(Des)Orientação: Thiago Abel

Sinopse: Uma das dimensões Ankoku Butô – projeto ético-estético criado por Tatsumi Hijikata, em parceria com Kazuo Ôno, nos anos 50 no Japão – é a afirmação de uma ‘beleza da crueldade’ (zankokubi), onde se (re)apresenta, coloca-se em cena, aquilo que para sociedade é insuportável. Aquilo que é proibido e marginalizado para que a sociedade possa existir é tratado, no Ankoku Butô, em sua beleza e subversão. Hijikata busca essa potência transgressiva nos marginais: loucos, homossexuais, criminosos, crianças, velhos, deficientes.

Éden Peretta, em O Soldado Nu, desenvolve a noção de Marginais TransTemporais, uma vez que estes personagens não dizem respeito somente aos seres marginalizados no Japão pós-guerra, “mas que figuram, reincidentemente, à margem em quase todos os tempos e sociedades”. A Transtemporalidade dos marginais é encarnada por Tatsumi Hijikata ao se debruçar nas obras literárias dos poetas malditos, como, por exemplo, Lautréamont, Genet e Sade; colocando-os em confluência com suas próprias marginalidades.

O Núcleo Experimental de Butô propõe a realização do Happening Marginais TransTemporais, onde os performers encarnam a beleza da crueldade, os corpos são atravessados pelos malditos e suas literaturas, pela marginalidade da dança de Tatsumi Hijikata, pelos marginais que povoam a cidade de São Paulo hoje e pela marginalidade experienciada por cada corpo.

PRIMEIROS EXPERIMENTOS

(Des)Orientação: Thiago Abel

Saxofone: Alan Paes

Processo de improvisação inspirado em um momento particular e esquecido da história do butô: Durante os anos 70, dançarinos de butô e músicos de free-jazz uniam-se em prédios abandonados e apresentavam-se livremente, entre poetas aos berros, artistas visuais buscando inspiração e alguns poucos curiosos que formavam o público.

Histórico de Apresentações

2019

20/10/2019 - Marginais TransTemporais

Metrô Barra Funda

13 e 14/07/2019 - Khthon (Zona Laboratorial)

Espaço Blum,

 

23/06/2019 - Marginais TransTemporais

Metrô Hospital São Paulo

25/05/2019 - Dança Terrorismo (Trincheira)

Metrô Santa Cruz

16/05/2019 - Como Criar Para Si Uma Foda Sem Órgãos

Festival Praga da Dança (do Coletivo Desvelo)


27/04/2019 - Dança Terrorismo (Flâneur)

Metrô Chácara Klabin

13/04/2019 - Dança Terrorismo (Crianças Selvagens)

Metrô Adolfo Pinheiro

06/04/2019 - Dança Terrorismo (Evangelho Segundo Ohno)

Largo Treze

23/03/2019 - Marginais TransTemporais

Metrô Santo Amaro

17/03/2019 - Dança Terrorismo (Imolação)

Metrô Vila das Belezas

16/03/2019 - Dança Terrorismo (Rito Fúnebre)

Metrô Giovanni Gronchi

24/02/2019 - Dança Terrorismo (Dança Pagã)

Metrô Campo Limpo

09/02/2019 - Marginais TransTemporais

Metrô Capão Redondo

08/02/2019 - Marginais TransTemporais no Rio de Janeiro

Cinelândia

2018

01 e 02/12/2018 - Khthon (Zona Laboratorial)

C.C. Vila Guilherme

30/11/2018 - Khthon (Zona Laboratorial)

Coletivo Digital

29/11/2018 - Khthon (Zona Laboratorial)

PUC-SP

24/11/2018 - Como Criar Para Si Uma Foda Sem Órgãos

Usina Cultural - Londrina - PR

17/08/2018 - Marginais TransTemporais em Campinas

Sex - 18:00 - UNICAMP - Campinas - SP

04/08/2018 - Marginais TransTemporais em São Paulo

Sáb - 16:00 - Prefeitura de São Paulo - SP

23/06 | 19h | Até A Lembrança do Cachorro do Vizinho Ainda Vive No Meu Corpo

Complexo Fepasa - Av. União dos Ferroviários, 1760. Centro - Jundiaí - SP

22/06 | 20h | Até A Lembrança do Cachorro do Vizinho Ainda Vive No Meu Corpo

Centro Cultural da Penha - Largo do Rosário, 20. Penha - São Paulo - SP


16/06 | 18h | Até A Lembrança do Cachorro do Vizinho Ainda Vive No Meu Corpo

15/06 | 20h | Até A Lembrança do Cachorro do Vizinho Ainda Vive No Meu Corpo

Oficina Cultural Oswald De Andrade - Rua Três Rios, 363. Bom Retiro - São Paulo - SP

08/06 | 16h | Até A Lembrança do Cachorro do Vizinho Ainda Vive No Meu Corpo

Escola Livre de Teatro - Praça Rui Barbosa, 12. Santa Teresinha - Santo André - SP

02/06 | 19h | Até A Lembrança do Cachorro do Vizinho Ainda Vive No Meu Corpo

01/06 | 19h | Até A Lembrança do Cachorro do Vizinho Ainda Vive No Meu Corpo
30/05 | 19h | Até A Lembrança do Cachorro do Vizinho Ainda Vive No Meu Corpo

Centro de Referência da Dança da Cidade de São Paulo - Galeria Formosa - Baixos do Viaduto do Chá, s/n. Centro - São Paulo - SP

27/04/2018 - Marginais TransTemporais Especial Testo Junkie:  Lançamento de Paul B. Preciado (a convite da N-1 Edições) 

Sex - 21:30 - Al Janiah. R. Rui Barbosa, 269 - Bela Vista - SP

13/04/2018 - Marginais TransTemporais em Londrina

Sex - 19:00 - Calçadão de Londrina - Londrina - PR

10/03/2018 - JAM: Tatsumi Hijikata 90 Anos (de vida)

Sáb - 16:00 - Praça Roosevelt - São Paulo - SP

21/01/2018 - JAM: Tatsumi Hijikata 32 Anos (de morte)

Dom - 16:00 - Praça Coronel Fernando Prestes - São Paulo - SP 

10/01/2018 - Marginais TransTemporais em Fortaleza

Qua - 19:00 - IFCE Instituto Federal do Ceará - Fortaleza - SP

2017

07/12/2017 - Anhangás em frente ao Conjunto Nacional

Qui - 15:30 - Avenida Paulista, 2073 - SP

25/11/2017 - Barakei! - Marginais TransTemporais em homenagem aos 47 anos da morte de Yukio Mishima

Sáb - 15:00 - Largo da Batata - SP

28/10/2017 - Anhangás em Tiradentes

Sáb - 11:30 - Cemitério da Igreja Matriz de Santo Antônio - Tiradentes - MG

16/09/2017 - Marginais TransTemporais na Praça da Sé (Happening)

Sáb - 15:00 - Praça da Sé - SP

01/07/2017 - Marginais TransTemporais no Minhocão (Happening)
Sáb - 15:00 - Elevado Joao Gourlat/ Minhocão - SP

23/06/2017 - Anhangás na PUC-SP 
Sex - 15:00 - Pátio Da Cruz - SP

11/05/2017 - Marginais TransTemporais na PUC-SP
Qui - 13:30 - PUC - SP

29/04/2017 - Anhangás - Abertura de Processo 
Sáb - 17:00 - Cemitério Da Consolação - SP

08/04/2017 - Marginais TransTemporais no Metrô Tiradentes (Performance)
Sáb - 16:00 - Praça Coronel Fernando Prestes - SP 

2016

17/12/2016 - Marginais TransTemporais na Av. Paulista
Sáb - 16:00 - Parque do Trianon - SP

26/11/2016 - Marginais TransTemporais na 13ª Semana das Artes do Corpo PUC 
Seg - 19:00 - PUC-SP

31/07/2016 - Marginais TransTemporais no Minhocão
Dom - 16:00 - Elevado João Goulart /  Minhocão - SP

2015

23/09/2015 - Primeiros Experimentos - Mostra Experimentos 2015 do TUSP

Qua - 20:00 - TUSP - Teatro da USP - SP

09/06/2015 - Primeiros Experimentos - UNICAMP

Ter - 20:00 - Teatro de Arena da UNICAMP - Campinas - SP

© 2019 por Thiago Abel

© 2018 por Thiago Abel e Caio Picarelli

© 2017 por Thiago Abel e Bruno Maschio